segunda-feira, 8 de maio de 2017

Propósito


[...] Para isto o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo. 1 JOÃO 3.8
Durante um conflito na Coréia, li um artigo escrito por um famoso cronista de jornal. Tal homem afirmou, com efeito: "Não me defino como cristão, mas não sou ateu ou agnóstico. O ateu diz que não há Deus. O agnóstico diz que é possível que Deus exista, mas que não tem certeza disso. Creio que Deus existe, e não acredito que tudo veio a existir por mero acaso. O que me impede de ser um cristão é aquilo que ouço os pregadores dizerem. Eles falam que Deus está dirigindo tudo. Ora, se isso for verdade, Ele certamente deixou as coisas desandarem!"
Em seguida, o cronista fez alusão às guerras, à morte de crianças, à pobreza, à enfermidade, fatos que acossam o mundo. O homem acrescentou: "Creio que há um Ser Supremo em algum lugar, e tudo que Ele criou foi belo e bom. Não acredito que essas outras coisas são obras de Deus".
Não, tais coisas vieram com a queda do homem, quando, então, Satanás passou a ser o deus deste mundo (2 Co 4.4). A Bíblia ensina que, quando Satanás for finalmente eliminado da Terra, nada mais existirá nela para danificar ou destruir. Fica claro, então, de onde provém tudo o que danifica e destrói. Se o mal proviesse de Deus, ainda o teríamos mesmo depois de Satanás ser destruído totalmente, porque Deus ainda estaria na Terra. Entretanto, reconhecemos que o mal não provem do Senhor.
Confissão: "O Filho de Deus foi manifestado para destruir as obras do diabo. Como parte do Corpo de Cristo, assumo a minha autoridade sobre as obras do diabo!"