quinta-feira, 13 de abril de 2017

Primogênito entre os mortos



O qual [o filho] é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades; tudo foi criado por ele e para ele. E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele. E ele é a cabeça do corpo da igreja; é o princípio e o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência, porque foi do agrado do Pai que toda a plenitude nele habitasse e que, havendo por ele feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, tanto as que estão na terra como as que estão nos céus. COLOSSENSES 1.15-20

Embora o eterno Filho de Deus seja em tudo igual ao Pai, Ele aceitou uma posição subordinada e empreendeu a tarefa de reconciliar o mundo com Deus pelo sangue da Sua cruz.
Com esse propósito, Jesus Se entregou à morte (Mt 27.50). Quando Jesus foi feito pecado por nós (2 Co 5.21), Deus O entregou ao adversário. Assim aconteceu quando brotou dos lábios de Jesus aquele grito que parte corações: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? O espírito de Jesus foi levado pelo adversário e carregado para onde o espírito do pecador irá quando morrer. Jesus foi colocado na cruz, pelos nossos delitos, a fim de que ressuscitasse para a nossa justificação (Rm 4.25). A sabedoria do Pai entregou Jesus, o Justo, à morte, para que nossa dívida fosse paga, e Jesus Se tornasse o Primogênito dentre os mortos!

Confissão: "Obrigado, Jesus, por ter morrido pelos meus pecados. Obrigado, Jesus, porque pagaste a minha dívida para que eu me libertasse!"