quarta-feira, 25 de outubro de 2017

A fé segundo o entendimento

Disseram-lhe [a Tomé], pois, os outros discípulos: Vimos o Senhor. Mas ele disse-lhes: Se eu não vir o sinal dos cravos em suas mãos, e não puser o dedo no lugar dos cravos, e não puser a minha mão no seu lado, de maneira nenhuma o crerei. E, oito dias depois [...] Chegou Jesus, estando as portas fechadas, e apresentou-se no meio, e disse: Paz seja convosco! Depois, disse a Tomé: Põe aqui o teu dedo e vê as minhas mãos; chega a tua mão e põe-na no meu lado; não sejas incrédulo, mas crente. Tomé respondeu e disse-lhe: Senhor meu, e Deus meu! Disse-lhe Jesus: Porque me viste, Tomé, creste; bem-aventurados os que não viram e creram! JOÃO 20.25-29

A fé de Tomé era segundo o seu entendimento, e Jesus não exaltou esse discípulo por isso. Jesus disse: Porque me viste, Tomé, creste (Jo 20.29a). Qualquer pessoa pode ter esse tipo de fé fundamentada no entendimento. Trata-se de crer naquilo que é visível e palpável; essa fé se reduz, portanto, aos nossos sentidos.
Jesus, porém, admirava a fé segundo o coração. Disse: Bem-aventurados os que não virão, e creram (Jo 20.29b). Crer com o coração significa crer além do que o seu entendimento falho lhe permite assimilar. O homem natural acredita naquilo que chega até ele por meio dos sentidos, ou seja, através de uma percepção sensorial do mundo. Mas o coração, por outro lado, crê na Palavra de Deus independentemente daquilo que seus sentidos lhe permitem perceber.

Confissão: "Não sou incrédulo; sou crente. Creio de acordo com a Palavra de Deus, independentemente daquilo que vejo, ouço ou sinto".


Kenneth E. Hagin
Alimento da Fé - Devocionais