sábado, 29 de julho de 2017

SENSÍVEL

[...] pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência. 1 TIMÓTEO 4.2

Mantenha uma consciência sensível, não a viole, pois a sua consciência, a voz do seu espírito, conta à sua mente aquilo que o Espírito de Deus lhe diz no seu íntimo. Se você não conservar uma consciência sensível, as verdades espi­rituais não serão conhecidas por você.
Em meados da década de 1930, eu era pastor de uma igreja no interior. Habitualmente, passava os domingos no sítio de um querido cavalheiro, com 89 anos de idade. Ele e eu não nos levantávamos tão cedo quanto o restante da família dele, de modo que tomávamos o café da manhã juntos às oito horas.
Ele mantinha um antiquado bule de café sempre em cima de um fogão a lenha, com o café fervendo dentro dele. Vi-o derramar o café fervendo, em uma caneca, levando-a à boca e bebendo o conteúdo em um só gole. A primeira vez que vi aquele senhor fazer isso, senti como se eu estivesse sendo queimado por dentro!
Como ele fazia aquilo? Eu certamente não poderia fazê-lo. Minha boca e garganta são tão sensíveis que uma única colherinha de café fervendo teria provocado queimaduras. De início, ele também não poderia fazê-lo. Mas, com o tempo, o hábito de beber café fervente acarretou a cauterização dos lábios, da boca e da garganta desse homem, a ponto de ser fácil para ele beber uma caneca cheia de café fervente, em um só gole.
O mesmo pode ocorrer espiritualmente. Mantenha a consciência sensível. Pare, no momento em que você sen­tir-se alheio à vontade divina e sua consciência o condenar. Diga: "Senhor, perdoa-me. Fiquei fora da Tua vontade". Ou, se for o caso, diga a quem você ofendeu: "Fiz mal. Perdoa-me, por favor".


Confissão: "Mantenho minha consciência sensível".